Início | Agenda | Artes Visuais | Exposição “O inferno nunca se farta” – Fernando de Tacca

Exposição “O inferno nunca se farta” – Fernando de Tacca

Prof. Dr. Fernando de Tacca do Instituto de Artes da UNICAMP apresentará a Exposição “O inferno nunca se farta” na Biblioteca Octávio Ianni do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas  (IFCH – UNICAMP) com abertura em 3 de agosto de 2017, às 16h.

A exposição acontecerá até 03 de novembro de 2017.

A mostra O inferno nunca se farta faz parte do ciclo de exposições apresentadas pela Biblioteca Octávio Ianni do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp (IFCH-Unicamp). Com as exposições, pretende-se proporcionar aos frequentadores da biblioteca uma oportunidade de convívio com obras originais, de diferentes técnicas e autorias. Desta vez, o público poderá conferir o ensaio visual feito por Fernando de Tacca que, além de fotógrafo, é professor do Instituto de Artes desta universidade. A atual mostra, idealizada pelo Prof. Dr. Jorge Coli, contou com curadoria de Priscila Sacchettin e projeto gráfico de Ianick Takaes, será aberta ao público no dia 3 de agosto às 16h e ficará em cartaz até 3 de novembro.

O ponto de partida das obras selecionadas são registros de amigos do artista, que foram presos e fichados pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). Os registros referem-se ao dia 22 de setembro de 1977, quando forças policiais invadiram uma assembleia estudantil na PUC/SP e prenderam centenas de estudantes. Às fotos dos detidos – dentre os quais estava o próprio de Tacca –  são incorporadas camadas de um cartaz religioso encontrado anos mais tarde, em postes de rua, com a frase O inferno nunca se farta. Desse modo, de Tacca opera uma reviravolta nas imagens originais. Ao se apropriar delas, nelas intervir e levá-las a público, o artista traz à luz, expõe – no sentido forte do termo – um tipo de material fotográfico que, por servir a propósitos repressivos, foi tantas vezes acobertado pelas autoridades e relegado a arquivos obscuros. Dar rosto, nome e sobrenome a pessoas que receberam tratamento autoritário é não apenas um modo de homenageá-las, mas também uma via de resgate da memória.

Mais informações: O inferno nunca se farta

 

quinta-feira, 3 Agosto, 2017 - 16:00 até sexta-feira, 3 Novembro, 2017 - 17:00